Make your own free website on Tripod.com

A carta de Caminha

 

Momento Histórico

 Escola Literária: Quinhetismo (1500-1601)

 

Não se pode falar numa literatura propriamente brasileira. É uma literatura sobre o Brasil, de caráter meramente informativo.

Duas manifestações literárias: Literatura informativa (material) e Literatura dos jesuítas (catequese);

 

Autor: Pero Vaz de Caminha

 

Escrivão da armada de Cabral, Pero Vaz de Caminha nasceu por volta de 1437, provavelmente na cidade do Porto; teve fim trágico na Índia (Calecute), ainda no ano de 1500, assassinado pelos mouros. Sua “Carta a El-Rei Dom Manuel sobre o achamento do Brasil”, além do inestimável valor histórico, é um trabalho de bom nível literário.

 

Resumo

 

A carta de Pero Vaz de Caminha é considerada o primeiro documento da literatura no Brasil (Certidão de Nascimento do Brasil).

“É o ponto de partida da exaltação e valorização da terra aos olhos do colonizador, aquém são apontadas suas vantagens e possíveis riquezas, ao mesmo tempo que se pretende colocar em primeiro plano o ideal português da propagação da cristandade, o que encontraria capo aberto no elemento indígena” (Castello)

 

Veja as principais características das cartas:

Posto que o Capitão-mor desta Vossa frota, e assim os outros capitães escrevam a Vossa Alteza a notícia do achamento desta Vossa terra nova, que se agora nesta navegação achou, não deixarei de também dar disso minha conta a Vossa Alteza, assim como eu melhor puder, ainda que -- para o bem contar e falar -- o saiba pior que todos fazer!

 

A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Nem fazem mais caso de encobrir ou deixa de encobrir suas vergonhas do que de mostrar a cara. Acerca disso são de grande inocência.

 

Parece-me gente de tal inocência que, se nós entendêssemos a sua fala e eles a nossa, seriam logo cristãos, visto que não têm nem entendem crença alguma, segundo as aparências.

 

Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal, ou ferro; nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os de Entre-Douro-e-Minho, porque neste tempo d'agora assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!

 

 

Obra Completa