Make your own free website on Tripod.com

Henrique VIII

 

Em 1491, nascia em Greenwich, o segundo filho de Henrique VII e seu sucessor como rei da Inglaterra. Subindo ao trono em 1509, Henrique VIII desposou Catarina de Aragão, filha do rei da Espanha, viúva de Artur, seu irmão mais velho. O casamento, por longas negociações diplomáticas, marcava a aliança entre duas grandes potências e as bodas foram faustosas. O jovem rei, amante da vida, impetuoso, desejava brilhar em todos os campos e chefiou, pessoalmente, uma expedição contra a França. Mas, depois, Henrique compreendeu que a conquista da França, onde a monarquia não se havia ainda consolidado, era uma empresa muito difícil, sem o apoio da Espanha e do Imperador da Alemanha, e concluiu a paz com o rei da França, dando-lhe por esposa sua irmã Maria.

Henrique estava irritado ao máximo contra a Espanha, que lhe retirava o apoio durante a guerra, e desabafava sua cólera sobre Catarina, à qual censurava a traição do pai. Além disso, culpava a rainha de não ter filhos. A grande ocasião para a Inglaterra participar do domínio político da Europa foi oferecida pela guerra entre França e Espanha. Henrique aliou-se com Carlos V, sobrinho da rainha e herdeiro tanto da coroa de Espanha como do Império Germânico.

Henrique VIII preocupava-se com a estabilidade dinástica dos Tudor, pois, de seus cinco filhos com Catarina, apenas Maria sobrevivera. Já desde muito tempo desejava romper o casamento com Catarina de Aragão, mas somente o Papa poderia dissolver aquele liame político, o rei hesitava, porque era profundamente religioso, mas, quando se apaixonou por Ana Bolena, uma jovem e bela dama da corte, não teve mais escrúpulos. Já enamorado de Ana Bolena (dama de honra da rainha), ele optou pelo divórcio em 1527, encarregando seu ministro, Wolsey, de obtê-lo junto ao papa Clemente VII. Mas este recusou seu pedido.

Inconformado com a decisão do papa, o soberano soube explorar o descontentamento geral em relação ao clero inglês, pressionando-o a reconhecê-lo como chefe supremo da Igreja na Inglaterra. Em 1533, o novo arcebispo da Cantuária invalidou seu casamento anterior e Ana Bolena foi coroada rainha. Excomungado pelo papa, Henrique VIII conseguiu passa dois atos pelo Parlamento, em 1534: o primeiro negava a autoridade papal na Inglaterra; o segundo — o Ato de Supremacia — declarava a Igreja da Inglaterra uma instituição separada, tendo no rei seu chefe supremo. Ana Bolena teve apenas uma filha (Elizabeth I) e a sucessão dinástica continuava sem herdeiro; sob acusação de adultério, Ana foi executada em 1536. Henrique VIII ainda casou mais quatro vezes. Alguns dias após a morte de Ana Bolena, casou-se com Jane Seymor. A nova rainha, meiga e dócil, conseguiu que Henrique VIII aceitasse na Corte as duas filhas, nascidas de casamentos anteriores. Ela morreu após haver dado ao marido o tão suspirado herdeiro, Eduardo, que, porém, viveu somente 17 anos.

Em 1540, embora muito triste, o rei pesou logo num vantajoso casamento político, que consolidasse a aliança com uma das duas máximas potências européias; após várias negociações desposou Ana Cléves, filha de um duque de Flandres. Mas a quarta rainha era pouco atraente, pouco culta, não podia satisfazer a um homem requintado como era Henrique VIII e esse matrimônio, ao qual se conformara por motivos políticos, foi declarado nulo e Ana Cléves ficou na Inglaterra, com uma rica pensão. O rei, já doentio, maduro, pusera os olhos sobre uma jovem dama de honor, sobrinha do poderoso duque de Norfolk, menina de dezessete anos, Catarina Howard, que foi a quinta esposa de Henrique VIII. Bela moça, frívola, mas de coração bondoso, a nova rainha procurou amenizar o caráter do marido, amansar-lhe a crueldade, mas ela também foi vítima, porque, quando sua conduta leviana foi revelada ao rei, este ficou profundamente ferido em seu amor e no orgulho e Catarina subiu ao patíbulo, tal como Ana Bolena.

Henrique VIII aos 50 anos, parecia envelhecido, mas sua política se refinara, a segurança do seu poderio tornava-o mais clemente, mas também mais astuto. Quando se reacendeu a guerra entre França e Espanha, ambas as potências procuraram aliança com a Inglaterra e a sede de domínio do rei foi satisfeita. Henrique VIII não fora feito para viver só, e outra dama da corte, Catarina Parr, atraiu-lhe a atenção. Era uma jovem viúva, graciosa, meiga, digna, afeiçoada aos filhos do rei. Os últimos anos do reinado de Henrique VIII transcorreram adoçados pela influência da boa e sábia Catarina. Foram anos ocupados em guerrear a França, a Escócia, a consolidar o poder absoluto, a desenvolver a Marinha, dando o início ao poderio naval da Inglaterra.

Uma infecção, que desde anos o fazia sofrer, numa pena estendeu-se ao corpo todo e rei faleceu em 1547.

Apesar das modificações realizadas na Igreja, Henrique VIII nunca introduziu a doutrina protestante. Todos aqueles que se negaram a aceitar os ensinamentos da Igreja da Inglaterra, assim como os que rejeitaram a autoridade eclesiástica de Henrique VIII, foram executados. Em relação à monarquia, reforçou os elementos autoritários característicos da dinastia Tudor. A solidez do poder implantada por Henrique VIII foi amplamente utilizada durante o reinado de Elizabeth I.

Durante os 38 anos de seu reinado, exerceu importante papel na política européia, tornando a Inglaterra uma das maiores potências navais da época e separando da Igreja Católica Romana e Igreja da Inglaterra.