Make your own free website on Tripod.com

Os Planetas

 

O dia 14 de outubro de 1957 é uma data que ficará gravada, na história da Humanidade, como um marco milenário: ela recordará, nos séculos vindouros, o primeiro passo dado pelos homens para saírem da atmosfera terrestre e rumar para a descoberta e o conhecimento direto dos mundos que circundam o nosso planeta. Naquele dia, realmente, os russos conseguiram, por primeiros, lançar um satélite artificial no espaço. A breve distância de tempo, a 31 de janeiro de 1958, os americanos obtiveram, também, resultados positivos, em uma empresa análoga. Naturalmente, dois acontecimentos desse gênero despertaram clamor no mundo. Mas, por agora, demos apenas o primeiro passo, embora isso de certo modo, seja o mais importante.

Entre os planetas do sistema solar, o maior é Júpiter (seu volume é 1295 vezes, o da Terra), e o menor, Mercúrio, com um diâmetro de 4.800 Km. Entre todos, o mais conhecido, fácil de avistar no céu, pela luz avermelhada, que emana, é Marte. Foi um astrônome italiano, Schiaparelli, cerca do ano de 1870, quem descobriu, nesse planeta, os famosos "canais", que forneceram tanta matéria aos escritores de ficção científica. Na realidade esses canais são sinais sutis, retos, intercalados com uma regularidade geométrica, os quais, porém, é, sem dúvida, prematuro e arriscado, considerar como obra de indivíduos inteligentes e civilizados. Com muita probabilidade, em Marte, existe uma possibilidade de vida, mas de uma vida muito baixa na escala biológica, talvez vegetal, do tipo dos musgos e dos líquens; o planeta, de fato, mostra uma variação de cor em sua superfície segundo a estação. A atmosfera, porém, é um tanto rarefeita, inadequada para o homem, escassa de água, que, todavia, existe em modesta quantidade, recolhendo-se aos pólos em duas sutis camadas de gelo.

Depois de marte outro planeta que atrai a nossa atenção é Vênus, o cintilante "astro encantador" dos poetas. Embora esteja mais próximo de nós, do que Marte, nossos conhecimentos sobre ele são muito limitados, porque o telescópio não mostra nada além de um cândido e impenetrável globo, formado pela parte superior de sua atmosfera, que nos tolda toda possibilidade de visão sobre a verdadeira superfície do planeta. Segundo algumas teorias, tais nuvens cândidas seriam constituídas de vapor de água, e isso nos autoriza a pensar que, em Vênus, possa existir vida, pelo menos vegetal, bastante semelhante à nossa. E alguma fantasia, imaginaram, em Vênus um intricado e selvagem mundo de florestas, semelhate ao que reinava na Terra nas primeiras eras do seu desenvolvimento. Porém, estudos executados sobre Vênus, mediante o espectroscópio (que analisa a luz e chega a reconhecer os elementos presentes até a distâncias astronômicas) não têm revelado nem oxigênio nem água, pelo menos naquela zona luminosa que cai sob observação.

O planeta mais próximo do Sol é Mercúrio. Nenhum invólucro de atmosfera o protege dos ardentes raios do Sol, para o qual oferece sempre o mesmo lado; desta parte, a temperatura alcança níveis tais, que pode fundir chumbo! Naturalmente, o lado oposto está envolto na noite e no gelo perene.

Júpiter, o maior dos planetas do Sistema Solar, está envolto numa atmosfera gélida e pesada, rodeado por nada menos que doze satélites, sendo estes os quatro mais importantes: Io, Europa, Ganimedes e Calisto, maior do que a nossa Lua. Saturno, o segundo planeta em ordem de grandeza, observado com um poderoso telescópio, em certos períodos do ano, apresenta um espetáculo inconfundível. Em torno dele, gravitam sutis bandós luminosos: os anéis de Saturno. Provavelmente, trata-se de enormes blocos de pequeníssimos fragmentos de um primitivo satélite.

Pouquíssimos sabemos dos restantes dos planetas, sempre mais distantes do Sol. Urano e Netuno são frigidíssimos, completamente despidos de atmosfera.

Às margens do Sistema Solar, onde já não chega luz, e por isso, praticamente invisível a olho nu, os astrônomos, em 1930, descobriram Plutão, o último dos planetas, imerso numa gélida noite sem fim.

 

Descoberto um segundo sistema solar com três planetas

Abril 99

Pesquisadores do centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian anunciaram, no dia 15 de abril, ter descoberto um segundo sistema solar no Universo, formado por três planetas gigantes gasosos, muito semelhantes a Júpiter. Os novos planetas, chamados inicialmente de B, C, D, giram em torno da estrela Ípsilon Andrômeda e não devem abrigar vida, uma vez que estão sujeitos a temperaturas extremas e furacões constantes. No entanto, o fato de formarem um sistema planetário aumenta as chances de este sistema ter um planeta semelhante à Terra, ou de existirem luas mais hospitaleiras nas órbitas de seus planetas.

Dos três planetas descobertos, o mais próximo à estrela Ípsilon Andrômeda, chamado de B, fica a oito milhões de quilômetros da sua superfície e perfaz uma órbita em torno dela a cada quatro dias e meio; o planeta C leva 242 dias para dar uma volta completa em torno da estrela, e o mais distante deles leva três anos e meio.

Os 20 planetas identificados nos últimos anos são todos gigantescos, iguais ou maiores do que Júpiter, o que tem facilitado a sua observação; planetas pequenos como a Terra, em que a gravidade é muito fraca, são mais difíceis de detectar com os instrumentos disponíveis no presente. "Nossos aparelhos não têm a capacidade de detectar planetas tão pequenos, mas é bastante provável que eles existam em vários outros sistemas planetários", disse o astrônomo Peter Nisenson, do Centro de Astrofísica da Universidade de Harvard. Os cientistas acreditam que a Via Láctea tem cerca de 200 bilhões de estrelas e provavelmente, planetas semelhantes à Terra, capazes de abrigar vida.

 

Astrônomos observam mecanismo de formação dos planetas

Outubro 98

Devido ao telescópio espacial Hubble, pesquisadores americanos da Universidade de Colorado, em Boulder, observaram, em torno de três jovens estrelas, uma etapa intermediária, considerada como o elo que faltava do mecanismo de formação dos planetas.

Os pesquisadores detectaram, em torno dessas estrelas, montes de poeira interestelar pelo menos 100 vezes maiores do que as partículas que compõem os discos em volta de inúmeras estrelas na sua primeira infância. Essas partículas, segundo eles, bem mais volumosas do que eram originalmente, seriam constituídas de inúmeros pequenos grãos que se reagrupam progressivamente para formar a massa de matéria que um dia se tornará um planeta. Henry Throop, da Universidade do Colorado, afirmou que "é a primeira vez que se pôde observar o mecanismo de acresção que conduz à formação dos planetas".

 

Links:

Os noves planetas: O site propõe uma viagem interplanetária através do Sistema Solar. Textos, sons, imagens e animações apresentam cada um dos planetas e a lua. http://www.pitagoras.g12.br/planets/nineplanets/

 

Veja Também:

Sol | Mercúrio | Vênus | Terra | Marte | Júpiter | Saturno| Urano | Netuno | Plutão